Recuperada, Saúde entra em nova fase de excelência

Greca reabriu UPAs, reduziu a mortalidade infantil, criou aplicativo para marcação de consultas e incrementou a capacidade de atendimento da rede à população

Dívidas quitadas, UPAs e unidades básicas novas e reorganizadas,
almoxarifado completos com insumos, serviços ampliados, medicamentos nas prateleiras das farmácias e um aplicativo para aproximar os serviços e ajudar a zerar as filas nas portas das unidades.

Rafael Greca promoveu um verdadeiro resgate da Saúde de Curitiba. Quando assumiu, em 2017, o sistema de saúde de Curitiba estava sucateado, com falta de insumos básicos, obras inacabadas e abandonadas, como a UPA Tatuquara e a Unidade de Saúde Jardim Aliança.

O árduo trabalho não só recuperou o setor como trouxe uma série de avanços a um setor cujo histórico de qualidade é reconhecido nacionalmente.

Curitiba saltou para uma realidade em que as consultas são agendadas pelo
aplicativo Saúde Já, que já conta com 700 mil usuários e realizou mais de 1
milhão de agendamento de consultas.

Tudo mais fácil e rápido, como pede a evolução da saúde.

Todo o trabalho resultou naquilo que é mais importante: melhoria da saúde
pública.

Na gestão Greca, a mortalidade infantil foi reduzida em 9,5%, a taxa de
transmissão local da dengue foi zerada (ou seja, a cidade só tem casos vindos de fora), Curitiba foi a primeira capital a garantir a manutenção do Certificado de Eliminação de Transmissão Vertical do HIV (o vírus da aids) de mãe para filho, além de ter reduzido em 50% os casos de aids e os atendimentos feitos pelo Samu tiveram um incremento de 70%.

Greca colocou para funcionar a UPA (Unidade de Pronto Atendimento)
Tatuquara, que foi deixada pela gestão anterior sem condições de
funcionamento, e reabriu a UPA CIC. Essas duas medidas significaram um
aumento na capacidade de urgência e emergência médicas de 25,5 mil
atendimentos mensais.

Ações como essas fizeram que a cidade estivesse em pleno potencial de
serviços de saúde quando a pandemia do novo coronavírus chegou. A casa
estava em ordem para enfrentá-la.

Veja as principais ações e resultados na saúde:

Covid-19:

– Abertura de três hospitais (Vitória, em parceria com o Grupo Amil; Instituto de Medicina, em parceria com a Santa Casa de Misericórdia; e a Casa Irmã
Dulce);

– 800 leitos exclusivos de covid-19 (dos quais 355 de UTIs);

– 1.088 leitos de UTI da rede hospitalar pública e privada da cidade acionados
conforme a necessidade;

– Central telefônica para atendimento e teleconsulta sobre o novo coronavírus, com cerca de 60 mil atendimentos;

– Monitoramento diário de pacientes com sintomas e confirmados;

Reorganização das unidades:

11 postos exclusivos para vacinação de rotina;

74 tiveram o atendimento com separação de fluxo de pacientes (rotina e
sintomáticos respiratórios);

As equipes das outras 26 unidades foram para outros pontos de atenção da
rede pública.

– Renovação de receitas de medicamentos de uso contínuo;

– Entrega de medicamentos em domicílio para idosos e pacientes de grupo de risco sem familiar ou responsável;

– Oxímetria em casa (medição do nível de oxigênio no sangue) para pacientes acima de 60 anos sintomáticos.

Evolução dos indicadores:

– Redução da Mortalidade Infantil em 9,5% entre 2016 e 2018;

– Curitiba Sem Mosquito: dengue zero – município tem índice de infestação
local de 0% pelo Aedes aegypti;

– Primeiro município do país a garantir a manutenção do Certificado de
Eliminação de Transmissão Vertical do HIV de mãe para filho;

– Aumento de cerca de 10% da capacidade de internamento do Hospital
Municipal do Idoso;

– Redução de 50,8% nos casos de Aids entre 2014 e 2018;

– Criação de um novo pronto socorro infantil;

– Reestruturação da Rede Mãe Curitibana Vale a Vida;

– Lançamento do Programa Escute o Seu Coração;

– Redução do tabagismo, obesos e pessoas que fazem consumo abusivo do
álcool;

– Redução do número de pessoas com diabetes e hipertensão arterial;

– Implantação da Rede de Atenção ao Idoso.

Investimentos (de 2017 até hoje): R$ 6,9 bilhões, sendo:

– R$ 3,5 bilhões em recursos municipais;R$ 2,4 bilhões em recursos federais;

– R$ 909 milhões em recursos estaduais;

– R$ 102,036 milhões em insumos;

– R$ 127,370 milhões em medicamentos;

– R$ 2,684 bilhões repassados aos hospitais prestadores de serviço SUS.

Medicamentos:

– 825.755.337 unidades de remédios para os pacientes das unidades de saúde;

– No primeiro ano da gestão Rafael Greca, o aumento na distribuição de
medicamentos foi de 20% em relação a 2016.

Profissionais:

– 3.675 profissionais contratados entre 2017 e 2020;

– São quase 10 mil médicos, dentistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem
em saúde pública, bucal, agentes comunitários de saúde, e outras categorias
que prestam atendimento em Unidades Básicas, UPAs, Hospitais, CAPs,
SAMU e outros serviços da saúde espalhados pela cidade.

Atendimento em UPAs (de 2017 até hoje):

– 4.000.521 pessoas atendidas nas UPAs.

Laboratório municipal (de 2017 até hoje):

– 16.327.759 exames realizados.

Obras:

– UPA Tatuquara;Unidade de Saúde Jardim Aliança (Santa Cândida/Barreirinha);

– CAPS Tatuquara;

– Novo Ambulatório Encantar: especializado no atendimento de pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (Alto da Glória);

– UPAS CIC e Pinheirinho;

– UPA Boa Vista;

– 16 Unidades básicas reformadas (entregues ou em execução);

– US São Paulo (Uberaba);

– US Santa Efigênia (Barreirinha);

– US Vista Alegre (Vista Alegre);

– US Tingui (Tingui);

– US Abaeté (Boas Vista);

– US Fernando de Noronha (Santa Cândida);

– US Pilarzinho (Pilarzinho);

– US Caiuá (CIC);

– US Nossa Senhora da Luz (CIC);

– US Pompéia (Tatuquara);

– US Moradias da Ordem (Tatuquara);

-US Dom Bosco (Campo de Santana);

-US Ipiranga (Capão Raso);

– US Vila Feliz (Novo Mundo);

– US São Domingos (Cajuru);

– US Palmeiras (Tatuquara).

SAMU:

– 100% da frota de ambulâncias renovada – 33 novas ambulâncias;

– Atendimentos diários passaram de 295 para 502 – um incremento de 70%,
em decorrência da melhoria da eficiência do serviço.

Especialidades:

– Telerregulação nas mais diversas especialidades: ortopedia, cardiologia,
cirurgia vascular, etc;

– 10 mutirões de especialidades para atendimento de 40 mil pacientes;

– Reduções nas filas de espera nas áreas de Dermatologia (63,45%),
Ortopedia (90,93%), Reumatologia (98,82%), Hematologia (98,81%),
Endocrinologia (96,59%), Cirurgia Vascular (68,41%) e Cardiologia (94,91%).

APP Saúde Já

– 12 milhões de acessos;

– 700 mil usuários;

– 1 milhão de agendamentos.