Greca vai ampliar videoconsulta e criar Hospital Dia

Em live semanal para mais de 8,5 mil espectadores, prefeito contou como zerou filas e renovou o SUS Curitibano

Ampliação do serviço de videoconsulta, mais funcionalidades para o aplicativo Saúde Já, novos mutirões da saúde e abertura do Hospital Dia para pequenas cirurgias. Depois de resgatar o SUS Curitibano nos últimos anos, o prefeito Rafael Greca propõe com sua reeleição novas ações para o município avançar ainda mais na área de saúde, consolidando iniciativas pioneiras já implantadas a partir de 2017.

Propostas para a Saúde de Curitiba no próximo mandato e os investimentos nos últimos anos foram detalhados, na quinta-feira (5/11), na live semanal “Conversa com o prefeito Rafael Greca”. O bate-papo alcançou 8.520 espectadores via Facebook e YouTube e, na próxima semana, quinta-feira (12/11), está programada a última live antes da eleição do dia 15 de novembro. Será às 20h.

Ao lado da secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, Greca lembrou que, ao assumir a Prefeitura, em 2017, sua gestão encontrou uma rede municipal de saúde sucateada. “O cidadão não tinha mais a excelência do passado, do tempo em que eu criei a Farmácia Curitibana, na minha primeira gestão. O cenário da saúde em Curitiba, no fim de 2016, era a pessoa varando a madrugada em filas para conseguir uma consulta, falta de medicamentos e obras inacabadas de UPAs e unidades básicas”, recorda Greca.

De acordo com o prefeito, o resgate da Saúde de Curitiba já começou no primeiro mês de 2017 e, desde então, o trabalho não parou mais. “Em quase quatro anos, investimos R$ 6 bilhões, mais da metade de recursos municipais, que variaram de 20% a 22% das receitas arrecadadas, fatias que ficaram acima do mínimo constitucional de 15%”, salientou Greca.

O prefeito contou que uma de suas primeiras medidas foi regularizar o abastecimento de insumos na rede municipal. “Havia muitas unidades de saúde com as despensas de medicamentos vazias”, recordou. Entre 2017 e 2020, foram distribuídas 825.755.337 unidades de remédios para os pacientes das unidades de saúde. Isso dá uma médica de quase 620 mil unidades distribuídas todos os dias.

Para reduzir as filas nos postos de saúde, as unidades de saúde foram reorganizadas e passaram a trabalhar em um sistema de acolhida dos usuários, com acompanhamento e ações de prevenção no chamado “cuidado programado”, com agendamento e planejamento dos atendimentos. “Além disso, em 2017, lançamos o aplicativo Saúde Já, que permite ao usuário agendar sua consulta pelo celular. Com isso, a pessoa não precisa ir fazer fila na unidade de saúde”, ressaltou Greca.

Greca recordou que obras inacabadas pela gestão anterior, como a UPA do Tatuquara e a unidade básica de saúde Jardim Aliança, no Santa Cândida, foram retomadas e entregues à população em condições plenas de atendimento. “Após finalizar e entregar obras que estavam paradas e revitalizar as UPAs do Pinheirinho e CIC, iniciamos em 2020 a reforma de 14 unidades básicas de estruturas mais antigas”, acrescentou Greca.

Pandemia Greca detalhou também durante a live as ações de sua gestão para o combate da pandemia da covid-19. “Desde o surgimento do novo coronavírus na Ásia, começamos a preparar a capital antes mesmo do primeiro caso registrado no Brasil. Já em janeiro, determinei que a Secretaria Municipal da Saúde criasse as primeiras normativas para unidades básicas, clínicas e hospitais. Ninguém que precisou de tratamento contra a covid-19 em Curitiba ficou sem a assistência”, disse Greca.

O prefeito destacou que, graças à confiança reestabelecida pela gestão com parceiros da rede hospitalar da cidade, Curitiba conseguiu abrir 800 leitos SUS exclusivos para pacientes com a covid-19. Destes, 355 em UTIs, parte deles na rede de parceiros privados e outra parte em hospitais abertos pela Prefeitura no período da pandemia.

“Em dois meses, abrimos três hospitais para atender pacientes SUS covid-19, devidamente equipados e com profissionais qualificados: Vitória, em parceria com o Grupo Amil; Instituto de Medicina, em parceria com a Santa Casa de Misericórdia e a Casa Irmã Dulce. A Casa Irmã Dulce ficará como um dos legados para a cidade, transformado em clínica de estabilização psiquiátrica para atender pacientes que hoje procuram as UPAs”, frisou Greca.

Uma das primeiras e mais efetivas medidas para enfrentar a pandemia, acrescentou Greca, foi a criação da central telefônica para atendimento e da videoconsulta sobre o novo coronavírus. “Profissionais orientam e monitoram a população sobre a infecção e também fazem consultas médicas por vídeo. Desde março até agora, foram quase 60 mil atendimentos, tanto por telefone como videoconsulta”, explicou Greca.

Avanços – Reeleito, o prefeito promete consolidar e dar mais volume aos projetos implementados e avançar ainda mais na Saúde, mantendo a capital como referência nacional no atendimento universal à população. “Vamos ampliar os serviços de teleatendimento, que trouxe excelentes resultados na pandemia, e das videoconsultas, além de dar novas funcionalidades ao aplicativo Saúde Já, que passará a enviar receita pelo celular e resultados de exames”, antecipou Greca.

Greca anunciou ainda a retomada dos Mutirões da Saúde para regularizar o represamento das cirurgias eletivas, outro reflexo causado pela pandemia. “Também vamos implantar o Hospital Dia, para agilizar pequenas cirurgias, procedimentos terapêuticos e procedimentos cirúrgicos eletivos”, revelou Greca.

Conquistas importantes da Saúde na gestão Greca:

– Primeiro município do país a garantir a manutenção do Certificado de Eliminação de Transmissão Vertical do HIV de mãe para filho;

– Redução da Mortalidade Infantil em 9,5% entre 2016 e 2018;

– Curitiba Sem Mosquito: dengue zero – município tem índice de infestação local de 0% pelo Aedes aegypti;

– Redução de 50,8% nos casos de Aids entre 2014 e 2018;

– Lançamento do Programa Escute o Seu Coração.